• Orientações Covid 19
  • Bahia estado voluntário
  • Bahia estado voluntário
  • Banner Racismo

Notícias

11/05/2018 17:00

Ronda Maria da Penha chega a Jacobina

Um ano depois da inauguração do Centro de Referência no Atendimento à Mulher (CRAM), o município de Jacobina conta agora com mais um órgão que compõe a rede de atenção à mulher em situação de violência. Foi inaugurada nesta sexta-feira (11) uma unidade da Ronda Maria da Penha.

A secretária de Políticas para as Mulheres do Estado da Bahia (SPM-BA), Julieta Palmeira, representou o governador Rui Costa na solenidade de inauguração, realizada no CRAM Mariane Soares, onde a Ronda funcionará para atender às mulheres com medida protetiva decretada pela Justiça.

A instalação da unidade representa mais um avanço na segurança pública do estado. A titular da SPM-BA destacou a importância do fortalecimento da rede de atenção à mulher para uma efetiva aplicação da Lei Maria da Penha. “Essa lei representa um marco civilizacional, mas sua aplicação total só será alcançada com a intersecção dos governos federal, estadual, municipal e toda a sociedade”.

Julieta Palmeira chamou a atenção de todas e todos para a necessidade de combater a cultura machista, que naturaliza a violência contra as mulheres. “Não podemos formar agressores. A cultura machista precisa ser desconstruída porque essa cultura repercute no cotidiano das pessoas e tira a vida das mulheres”.

O comandante geral da Polícia Militar, coronel Anselmo Brandão, disse que a Ronda Maria da Penha é “mais uma ação social do que de polícia, com policiais devidamente treinados para o atendimento à mulher em situação de violência doméstica e com medida protetiva”.

Até o momento a Ronda já atendeu 2.100 mulheres em toda a Bahia. Em Jacobina, a unidade funcionará com 11 policiais militares, seis receberam a braçadeira da Ronda durante a cerimônia. A Secretaria de Mulheres preside o comitê gestor da Ronda Maria da Penha, a qual está subordinada ao Comando de Policiamento Especializado da Polícia Militar.


Caso Daniele

A secretária Julieta Palmeira se reuniu com representantes do Poder Judiciário para acompanhamento das investigações acerca do desaparecimento da estudante Daniele de Oliveira, de 23 anos, em Serrolândia. Parentes da estudante também participaram do encontro e foram informados sobre as medidas adotadas na tentativa de elucidar o caso.

O marido de Daniele é o principal suspeito pelo desaparecimento da estudante, que tem uma filha de quatro anos. A estudante está desaparecida desde o dia 25 de abril, quando foi vista pela última vez com o marido. O processo transcorre sob segredo de Justiça.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.